Filmes|Séries|TV

Crítica | Vingadores: Ultimato

Encerramento épico e respeitoso para a franquia Marvel, mas não é um ponto final


Vingadores: Ultimato consegue surpreender até nas previsibilidades. Isso porque já era sabido que a viagem no tempo seria o cerne da trama de vingança do grupo de super-heróis, mas não exatamente da forma que ocorreu. Sob as rédeas dos diretores e irmãos Joe e Anthony Russo, bem como no roteiro escrito a quatro mãos por Christopher Markus e Stephen McFeely, o filme da Marvel Studios/Disney se consagrou como o maior de todos os tempos do gênero de heróis.

No primeiro ato do filme, uma grata surpresa. Após os acontecimentos de Vingadores: Guerra Infinita, os heróis almejavam uma nova investida contra Thanos e ela de fato foi bem sucedida. O Titã Louco foi decapitado pela Rompe Tormentas de um Thor amargurado e auxiliado por outros heróis na missão. A paz depois disso para todos os envolvidos ao cerco do vilão foi verdadeiramente maquiada, já que o objetivo era recuperar os entes e amigos mortos no estalo – coisa que tornou-se impossível, já que Thanos destruiu as Joias do Infinito.

Impossível até o regresso do Homem-Formiga do Reino Quântico, quando a viagem no tempo virou algo mais plausível e até aceita pelo Homem de Ferro. Este último descobre a maneira correta para estruturar o plano, cede à própria pressão e deixa a mulher e filha em prol de um bem maior: o reequilíbrio do universo. Mais um prova de que Tony Stark tem coração.

A narrativa permanece em níveis altos e passeia pelos bastidores de vários filmes já lançados pela Marvel, tudo para juntar as joias do passado. Várias participações especiais e importantes abrilhantaram estes momentos. Além de personagens que sofreram com a batalha em Guerra Infinita e mudaram, como o Hulk e sua versão inteligente, Thor despreocupado com a vida e Gavião Arqueiro mais letal do que nunca. Todo esse fan service é o que muitos esperavam e torna-se a cereja deste grandioso bolo.

Os efeitos visuais, edição de som e a trilha sonora formaram uma simbiose e foram magistralmente conduzidos pela dupla de diretores. As cenas de ação exigiam o auxílio de computadores e músicas marcantes para eternizar momentos na memória de cada um de nós. Capitão América digno de levantar o Mjolnir, o mesmo falar a ilustre frase dos quadrinhos “Vingadores, avante!”, Stark usar as Joias do Infinito e dizer “Eu sou o Homem de Ferro” são bons exemplos neste quesito.

A batalha final é épica. Com o retorno de Thanos, por outra linha temporal, o conflito toma conta da telona. Reúne todos os principais heróis apresentados até aqui, auxiliados por uma tropa numerosa, para batalhar contra um também considerável exército. A sensação é de que não faltou espaço para ninguém e que todos receberam o respeito necessário com suas respectivas jornadas, personalidades e objetivos. Tudo possível com o êxito alcançado de ir ao passado e reverter o estalo que dizimou incontáveis vidas. Com isso, três horas de filme passaram num piscar de olhos graças ao roteiro bem amarrado.

A conclusão desta etapa da Marvel Studios não poderia ser melhor: com finais louváveis a vários personagens. Principalmente na morte célebre de Tony Stark e a permanência de Steve Rogers no passado com seu grande amor. O evento cinematográfico é um marco na indústria audiovisual, a consagração de um universo e um agradecimento aos fãs, tudo ao mesmo tempo.

É a evidência de que o gênero de heróis consegue contar histórias verdadeiramente humanas, arrancar lágrimas e sorrisos de quem assiste. Não são apenas caça-níqueis. A própria franquia de filmes da Marvel terá vida longa e filmes a perder de vista. As duas partes, estúdio e público, saem vitoriosas.

Universo Cinematográfico da Marvel: passado glorioso, presente admirável e futuro de ainda mais conquistas e sucesso.

NOTA: 10.


FICHA TÉCNICA

Ano: 2019

País: EUA

Distribuidora: Walt Disney Studios Motion Pictures/Marvel Studios

Classificação: Livre

Duração: 3h1min

Direção: Anthony Russo e Joe Russo

Roteiro: Christopher Markus e Stephen McFeely

Elenco: Josh Brolin, Brie Larson, Don Cheadle, Paul Rudd, Tessa Thompson, Karen Gillan, Chris Evans, Chris Hemsworth, Jeremy Renner, Mark Ruffalo, Scarlett Johansson, Robert Downey Jr.


Nos siga nas redes sociais: InstagramFacebook Twitter

0 comentário em “Crítica | Vingadores: Ultimato

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: